O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS

"Há uma teoria que indica que sempre que qualquer um descobrir exatamente o que, para que e porque o universo está aqui, o mesmo desaparecerá e será substituído imediatamente por algo ainda mais bizarro e inexplicável... Há uma outra teoria que indica que isto já aconteceu."  O Guia do Mochileiro das Galáxias.

A biblioteca comunitária "Mundo do Saber" traz como indicação de leitura no dia de hoje, a série: "O Guia do Mochileiro das Galáxias". É uma história recheada de aventuras e humor. Douglas Adams, o autor, insere em sua trama formas irônicas de criticar a sociedade e suas relações de organização, pensamento e poder. O livro possui uma linguagem acessível e inteligente e com muito humor.

A série fora lançada originalmente na década de 70, mas devido a sua abordagem moderna e ousada, por vezes, nos esquecemos desse detalhe. Os personagens da saga são muito originais e fogem aos estereótipos encontrados facilmente em histórias infantojuvenis, como por exemplo o robô maníaco depressivo chamado Marvin (um dos personagens mais marcantes da série). Marvin é um robô extremamente inteligente e que define seu próprio cérebro como "do tamanho de um planeta". Ele não tem paciência para conversar com qualquer ser vivo ou sintético que seja, por se achar inteligente demais pra isso. Sua característica "mal humorada" se deve ao fato de que ele é um protótipo que fora programado dentro de um sistema chamado GPP (genuína personalidade humana) - fica claro aí mais uma grande "cutucada" do autor a nós seres humanos. 

Marvin, apesar de seu mau humor, acaba sendo o responsável pelas melhores passagens do livro, com suas frases e colocações deprimidades e de desvalorização da vida (e que muitas vezes possuem uma dose de realidade).

“Eu estava muito entediado e deprimido, aí me liguei na entrada externa do computador. Conversei por muito tempo com ele e expliquei a minha concepção do Universo. E o que aconteceu? Ele se suicidou”.

Marvin na representação do cinema



 Sobre a vida
Vida? Não me falem de vida
A Vida. Pode-se odiá-la ou ignorá-la, mas nunca gostar dela!

Sua visão das coisas
“Ei, Marvin, meu velho, como vão as coisas?”
”Muito mal, eu suspeito.”

A natureza 
 
“Tinha oceanos?” ”Se tinha! Oceanos enormes, com ondas bem azuis...”
”- Não suporto oceanos...”                                                                  

 

0 comentários:

Postar um comentário